Vinho armazenado no fundo do mar gera polémica na Califórnia

Vinho armazenado no fundo do mar gera polémica na Califórnia

Este é um artigo sobre um naufrágio, um oceano, garrafas de champanhe centenárias, uma patente registada dos EUA, Tommy Lee, da banda Mötley Crüe, e a história do vinho na Califórnia.

Começa com um mergulhador, um surfista, um enólogo e um francês que afundaram gaiolas especiais com vinho na costa de Santa Bárbara, Califórnia, na tentativa de criar a primeira adega e clube subaquático do mundo somente para membros. Só que eles fizeram isso sem autorização do Estado, perto de um local de enorme escoamento de petróleo no mar há cinco décadas. O que levou à indignação da Comissão Costeira da Califórnia, que acusou o empreendimento de violar deliberadamente a lei e ordenou que as gaiolas fossem removidas.

De acordo com o portal “Must”, citando a Blomberg, depois de ganhar tempo para cumprir as ordens, durante a pandemia, os empreendedores organizaram uma opulenta festa quando retiraram as garrafas do fundo do mar, que foi gravada para as redes sociais.

“Acho que é preciso uma certa arrogância apenas para fazer o que se quer, com se quer, onde se quiser”, disse Jennifer Savage, gestora de políticas da Surfrider Foundation, na Califórnia. “Há razões pelas quais as pessoas não podem simplesmente deitar tudo o que lhe apetece no fundo do oceano.”

A comissão deve avaliar no próximo mês um pedido para aprovar as gaiolas e permitir que mais estruturas sejam afundadas. Uma equipa da comissão recomendou que o pedido fosse negado, dizendo que este não atende aos principais critérios de uso para ser aprovado sob a Coastal Act, uma lei estadual histórica aprovada em 1976 para proteger os recursos costeiros, promover o acesso público e equilibrar a conservação com o desenvolvimento.

O cofundador da Ocean Fathoms, Emanuele Azzaretto – o mergulhador -, disse que seu plano promove o vinho, a economia azul, não prejudica o meio ambiente e amadurece o vinho mais rápido do que o armazenamento normal.

“Santa Bárbara é oceano e vinho”, disse Azzaretto, que passou anos na África Oriental a desenvolver parques marinhos e de caça. “Bem, acabamos de casar as duas coisas e estamos a fazer isso de uma forma muito transparente.”

Champanhe centenário

Em 2010, exploradores encontraram um barco que afundou no Mar Báltico. Os mergulhadores conseguiram resgatar 168 garrafas de champanhe que datavam de 1840-1841. O espumante tinha bom sabor, dando início a uma pespetiva de indústria.

Espanha e Itália têm agora instalações de armazenamento subaquático. Uma vinícola subaquática na Croácia ostenta vinho armazenado em jarros de barro, embora as tentativas de replicar esses esforços na Baía de Chesapeake e na costa da Carolina do Norte tenham sido infrutíferas. O Underwater Wine Congress foi organizado em 2019, e outro congresso está agendado em Bilbao, Espanha, em 2022. O congresso não respondeu a pedidos de comentários.

Em 2015, disse Azzaretto, este criou uma gaiola especial com metais reciclados que funciona como uma bateria, carregando a estrutura ao usar as ondas para mexer o vinho enquanto as garrafas são mantidas no escuro, em condições frescas necessárias para o armazenamento e preservação. Azzaretto começou a fazer experiências em 2016, primeiro com 12 garrafas, depois com 50. Uma gaiola foi lançada em 2019 e duas em 2020, segundo o estado da Califórnia. Ele aprovou a patente em 2020.

Para Azzaretto, o seu projeto é como pescar caranguejos – “Desce uma gaiola, depois puxa-a de volta”, diz.”Tenho vinho jovem. Transformo-o em vinho mais velho.”

As tentativas de obter licenças para o projeto perderam-se num labirinto de jurisdições e atrasos devido ao covid-19, disse Azzaretto. “Eu não sabia que estava a fazer algo errado. Fui a todos os escritórios do porto. Disse a todos o que estava a fazer.”

A Ocean Fathoms diz no seu site que o empreendimento é uma “adega permitida”, mas, segundo a comissão, isso não é verdade. Na semana passada, Azzaretto disse que a linguagem do site é um pouco ambígua. “Acho que devemos corrigir isso”, disse.

A Ocean Fathoms solicitou licenças somente depois de lançar as gaiolas no mar, e a comissão tomou conhecimento das caixas por meio do Corpo de Engenheiros do Exército dos Estados Unidos, disse Kate Huckelbridge, vice-diretora da comissão costeira.

“O armazenamento de vinho não se encaixa em nenhum desses sete usos definidos” no Coastal Act, disse Huckelbridge. “Ocupa habitat e espaço quando existem criaturas lá”, disse. “Destrói tudo o que está por baixo.”

Partilhar este artigo