Subiu para 66 o número de mortes após ciclone Freddy em Moçambique

Subiu para 66 o número de mortes após ciclone Freddy em Moçambique

Dados preliminares divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Gestão de Desastres (INGD) indicam que o total de mortes devido à segunda passagem do ciclone Freddy por Moçambique subiu para 66.

O total de pessoas afectadas ascende a 357 mil, a larga maioria na província da Zambézia, onde a cidade de Quelimane foi a mais sacrificada.

Há cerca de 59 mil pessoas distribuídas por 151 centros de acolhimento a funcionar em cinco províncias: Zambézia, Niassa, Sofala, Manica e Tete.

Ao nível de estruturas, segundo o INGD, citado pela Lusa, mais de 30 mil casas precárias foram completamente destruídas e outras 40 mil apresentam prejuízos, significando dificuldades acrescidas para as famílias guardarem os seus haveres, nomeadamente alimentos.

A principal via do país, a estrada nacional 1 (EN1), está cortada junto a Quelimane, sendo que, no total, o país tem sete pontes destruídas e 2.100 quilómetros de estradas afectadas.

Ao nível dos serviços básicos, há 55 unidades sanitárias danificadas e mais de 1.500 salas de aula atingidas, prejudicando 134 mil alunos.

A distribuição de energia continua condicionada, com 457 postes de electricidade danificados.

Partilhar este artigo

Deixe uma resposta