Rigorosidade dos parceiros atrasa o programa de reconstrução pós-ciclones

Rigorosidade dos parceiros atrasa o programa de reconstrução pós-ciclones

As falhas na coordenação, a necessidade de integração de resiliência nos projectos, os procedimentos exigidos pelos parceiros de cooperação e ainda a multiplicidade destes constituem os principais desafios da reconstrução pós-ciclones Idai e Kenneth, que atingiram o centro e norte do país em Março e Abril de 2019, respectivamente.

A explicação foi dada esta quarta-feira pelo director-executivo do Gabinete de Reconstrução Pós-Ciclones Idai e Kenneth (GRECOP), apontando que 77% dos 1,2 mil milhões de dólares assegurados dos parceiros estão a ser aplicados por diferentes agências e apenas 23% é que se encontram sob gestão directa da instituição.

Luís Paulo Mandlate referiu-se ao deficiente fluxo de informação e articulação, havendo casos em que algumas organizações não-governamentais avançam na construção de casas nas comunidades sem que os desenhos incluam a componente de resiliência, o que mina o futuro dos empreendimentos e a vida dos ocupantes.

Falando num encontro com jornalistas, Mandlate observou que os procedimentos rigorosos para o acesso aos fundos prometidos pelos parceiros alongam e/ou atrasam o avanço efectivo das obras no meio de ansiedade e sofrimento dos afectados, havendo necessidade de algum equilíbrio.

Das 190 mil casas por reconstruir de um universo 290 mil danificadas pelos dois ciclones no centro do país e em Cabo Delgado e Nampula, o Banco Mundial vai financiar as intervenções em 15 mil.

Para o efeito, o GRECOP teve de recorrer ao Instituto Nacional de Estatística, Direcção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos e outras instituições para a definição dos 15 mil agregados beneficiários, em função do grau de vulnerabilidade, se[1]gurança da área em que vivem e outros critérios.

Os 15 mil agregados são da cidade da Beira e distritos de Búzi, Dondo e Nhamatanda, em Sofala, bem como Ibo, Macomia e Quissanga, em Cabo Delgado, os mais afectados pelos ciclones. Fora o Banco Mundial, há outros parceiros que se predispuseram a suportar a reconstrução de seis mil habitações, totalizando 21 mil, para igual número de beneficiários.

As casas deverão estar concluídas até meados de 2024, de acordo com dados avançados por Mandlate.

Partilhar este artigo