Recuperação da economia pode não ser transversal a todos os sectores

Recuperação da economia pode não ser transversal a todos os sectores

Moçambique registou um crescimento económico na ordem de 0,1% no decurso do primeiro trimestre de 2021, um sinal de ter saído da recessão, um crescimento sustentado, principalmente, pelo sector primário, segundo as últimas pesquisas do economista sénior do Rand Merchant Bank, Daniel Kavishe.

Apesar do sector agrícola ter contribuído com 23,5% no crescimento da economia nacional, os restantes sectores como o dos transportes, comunicações, hotelaria e restauração registaram retracções, o sector mineiro destacou-se ao apresentar 18,1% de crescimento negativo.

“Prevemos que a economia vai registar um crescimento de 2,5% este ano, considerando a recuperação significativa demonstrada no primeiro trimestre”, afirma Daniel Kavishe, economista sénior do Rand Merchant Bank.

“Os números do PMI em Moçambique revelam que, de forma generalizada, as transacções comerciais aumentaram de 49,1 para 51,3, em Março e Abril, respectivamente”.

Um inquérito realizado pelo Instituto Nacional de Estatística revelou que as empresas, para além de preverem que a economia vai recuperar ao longo dos próximos 12 meses, em Moçambique, a procura continuará a ser menor comparativamente ao final do ano passado, principalmente nos sectores da restauração, hotelaria e serviços relacionados. As estatísticas apontam, igualmente, que os indicadores de confiança no sector de transportes e logística apresentam, actualmente, os níveis mais baixos dos últimos três trimestres, diz a fonte.

Entretanto, segundo Daniel Kavishe, com base nestes inquéritos, existe uma grande probabilidade da recuperação de a economia moçambicana, em 2021, não ser transversal a todos os sectores.

“Tomando como base as nossas projecções deste ano, o sector primário irá provavelmente liderar os resultados positivos e o sector agrícola apresentará, igualmente, ganhos significativos. Prevemos, igualmente, que a despesa fiscal contribua de uma forma significativa no apoio ao sector da construção. Portanto, neste momento, mantemos a nossa previsão de crescimento anual de 2,5% para o ano de 2021”, disse Daniel Kavishe.

Kavishe prevê que a recente decisão do governo na flexibilização das restrições associadas ao combate à pandemia, vai impulsionar a recuperação económica no segundo semestre do ano.

Para a nova Directora da Banca Corporativa e de Investimentos do FNBM, Janine Goosen, 2021 foi um ano de investimento, dando continuidade à implementação do programa de transformação e de capacitação, como previsto.

“Continuamos a reforçar o nosso compromisso em apoiar o crescimento dos diversos sectores da economia nacional, através da actualização das nossas plataformas digitais, da disponibilização de serviços financeiros de excelência bem como de soluções holísticas aos nossos clientes e às suas cadeias de valor, para operarem eficientemente no “novo normal “quer a nível nacional ou internacional”, reforçou Janine Goosen.

Partilhar este artigo