ONU diz que perigos do uso de tecnologias digitais como armas estão a crescer

ONU diz que perigos do uso de tecnologias digitais como armas estão a crescer

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou para o crescimento de uso de tecnologias digitais como armas a cada ano que passa.

Citado pela agência Associated Press (AP), disse que as actividades maliciosas no ciberespaço levadas a cabo por governos, actores não governamentais e criminosos, estão igualmente a aumentar.

“O uso indevido da tecnologia digital está a tornar-se mais sofisticado e furtivo, o ‘malware’, os ‘wipers’ e os ‘trojans’ estão a proliferar”, referiu Guterres, avisando o Conselho de Segurança das Nações Unidas que “a computação quântica poderá quebrar sistemas inteiros com a sua capacidade de violar a criptografia”.

E porque nem tudo vai mal, o líder da ONU aproveitou também para defender que os avanços digitais “estão a revolucionar as economias e as sociedades”. Guterres disse, porém, que os incidentes de segurança cibernética tornaram-se “perturbadoramente comuns”, tanto nos serviços de saúde como bancários e de telecomunicações.

De seguida, passou para os exemplos práticos de como o ciber-crime é uma realidade preocupante na actualidade. “O ‘ransomware’ é um exemplo grave – uma enorme ameaça às instituições públicas e privadas e à infra-estrutura crítica da qual as pessoas dependem. De acordo com algumas estimativas, o total de pagamentos de ‘ransomware’ atingiu os 1,1 mil milhões de dólares (cerca de mil milhões de euros)”, acrescentou.

António Guterres fez um longo discurso sobre este sector, os seus avanços e os perigos, lamentando que “a actividade maliciosa que prejudica as instituições públicas, os processos eleitorais e a integridade online corrói a confiança, alimenta tensões e até semeia a violência e o conflito”.

O secretário-geral da ONU convidou os 193 Estados-membros para uma Cimeira do Futuro, no final de Setembro, apelando a que seja usada como “uma oportunidade fundamental para apoiar a manutenção da paz e segurança internacionais no ciberespaço”. (Angop)

(Imagem:DR)

Partilhar este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.