Niassa terá em breve três novas fábricas de processamento agrícola

Niassa terá em breve três novas fábricas de processamento agrícola

Três novas unidades industriais de processamento de produtos agrícolas estão projectadas para a província do Niassa no âmbito do Programa Nacional Industrializar Moçambique.

Segundo apurámos, estão em curso na cidade de Lichinga as obras de construção de uma fábrica de processamento de feijão, que se espera venha absorver as grandes quantidades de feijões que abundam no mercado para processamento e colocação no mercado nacional e internacional.

A implantação da fábrica vai também estimular os produtores da cultura a incrementarem a produção, o que passa pelo aumento das áreas de cultivo e uso das novas tecnologias agrárias, bem assim assegurar novos postos de emprego. No posto administrativo de Chiuta, distrito de Mecanhelas, considerado o maior produtor de arroz do Niassa, será implantada uma fábrica de processamento deste cereal que constitui a base da dieta alimentar de muitas famílias.

Na época agrícola ainda em curso, o distrito de Mecanhelas produziu cerca de 56 mil toneladas de arroz numa área de 17,2 mil hectares, a maior explorada na região depois da de milho.

O sector de Actividades Económicas refere que a produção de arroz tem registado incremento notável das áreas e de colheitas nos últimos três anos. Assegura que na safra 2021/22, cujo início se avizinha, as áreas de cultivo vão conhecer aumento significativo e, para o efeito, os produtores estão a ser mobilizados.

Neste momento decorre igualmente o mapeamento das zonas susceptíveis para produção da cultura de arroz. A zona de Matia, com abundância de terras húmidas durante maior parte do ano, já foi seleccionada para que os produtores locais recebam insumos distribuídos no âmbito do Sustenta, programa nacional de integração da agricultura familiar em cadeias de valor produtivas.

Por outro lado, a província do Niassa teve distribuição massiva da semente de soja no âmbito de uma iniciativa visando incrementar as colheitas desta cultura. E os resultados do primeiro ano da produção massiva são considerados satisfatórios.

Segundo Dinis Vilanculos, foi nesse contexto que foi elaborado um projecto visando à implantação de uma fábrica de processamento de soja no distrito de Cuamba.

A produção de soja vai reforçar a disponibilidade da matéria-prima para a fábrica de óleo alimentar em construção naquela cidade, cuja inauguração está prevista para o corrente mês. O governante insta os governos distritais a escolherem culturas locais consideradas prioritárias, avaliando todas as condições que interferem positivamente para obtenção de resultados positivos.

A ideia é estimular e apoiar o sector privado a implantar unidades fabris para processamento e colocação dos resultados nos diferentes mercados, iniciativa através da qual se podem criar postos de emprego.

Partilhar este artigo