Julgamento de Jacob Zuma adiado para fim de Setembro

Julgamento de Jacob Zuma adiado para fim de Setembro

O Tribunal Superior de Pietermaritzburg, sudeste da África do Sul, adiou hoje o julgamento de corrupção do ex-presidente Jacob Zuma para o fim deste mês.

O juiz sul-africano Piet Koen decidiu, no final de uma sessão por videoconferência, adiar o caso para 21 e 22 de Setembro, sublinhando que a audição do mesmo será em “tribunal aberto”.

“O caso foi adiado na ausência do primeiro acusado e dos representantes do segundo acusado para as 10 horas (hora local) nos dias 21 e 22 de Setembro de 2021 em tribunal aberto em Pietermaritzburg”, declarou o juiz sul-africano.

De acordo com o juiz, as partes concordaram num calendário para apresentação de declarações juramentadas sobre o relatório médico relacionado com a condição de saúde de Zuma, que permanece num hospital militar após um procedimento médico desconhecido.

O Departamento de Serviços Prisionais colocou, em 05 de Setembro, o antigo Presidente da África do Sul em liberdade condicional, por “razões clínicas”.

Jacob Zuma, 79 anos, está hospitalizado desde 06 de Agosto fora da prisão onde estava a cumprir uma pena de 15 meses, a cerca de 150 quilómetros da sua residência em Nkandla, Kwazulu-Natal, a província mais atingida pelos violentos tumultos e saques que eclodiram em Julho após o seu encarceramento, provocando mais de 330 mortos no país.

O antigo chefe de Estado foi preso em 08 de Julho por desacato a uma ordem do Tribunal Constitucional para comparecer perante uma comissão de inquérito sobre corrupção no período em que foi Presidente, entre 2009 e 2018.

Zuma enfrenta várias acusações de fraude, extorsão, lavagem de dinheiro e corrupção num caso de 20 anos relacionado com a compra de armamento militar pelo Estado sul-africano a várias empresas de armamento europeias, em 1999, quando exercia o cargo de vice-presidente do país no mandato do ex-presidente Thabo Mbeki.

Partilhar este artigo