Governo já cumpriu 48% das metas Plano Económico e Social

Governo já cumpriu 48% das metas Plano Económico e Social

O balanço do Plano Económico e Social (PES) no primeiro semestre de 2021 revela que, dos 356 indicadores do referido instrumento de gestão púbica programados para o período em alusão, 48% (171 dos indicadores) alcançaram a meta, 21% (73 dos indicadores) alcançaram parcialmente e 31% (112 dos indicadores) não alcançaram a meta do semestre.

Um comunicado do Conselho de Ministros datado de 03 de Agosto corrente aponta que, apesar de factores adversos, a estabilidade macroeconómica interna permitiu o aumento das Reservas Internas Líquidas (RIL) para 6 meses de cobertura, contra 6.8 meses previstos no PES 2020, e a estabilidade da inflação, ao se situar, em média, em 4.16%, índice abaixo dos 5% previstos para o ano de 2021.

Relatório de execução do Orçamento do Estado (OE) do primeiro semestre de 2021 citado pelo “O País” e apresentado na 27ª Sessão Ordinária do Conselho de Ministros, aponta que no nível da execução orçamental, quando comparado com o período homólogo de 2020, observa-se que, a cobrança de Receita do Estado, foi de 127 421,7 milhões de meticais correspondente a 48% da meta anual, contra 110.206,4 milhões de meticais cobrados em 2020, o que correspondeu a 46,8% da meta de 2020, ou seja, um crescimento nominal de 15,6%.

Enquanto isso, a despesa realizada no período foi de 165.852,9 milhões de meticais, correspondente a uma realização de 45% do OE 2021, contra 141.873,2 milhões de meticais que correspondeu a 41,1% do OE de 2020, no igual período homólogo, ou seja, um crescimento real de 12,0%.

Ainda na 27ª sessão ordinária, o Conselho de Ministros aprovou a resolução que autoriza o Gabinete de Informação Financeira de Moçambique (GIFiM) a aderir ao Grupo Egmont, organismo internacional que reúne as unidades de informação financeira a nível mundial. O Grupo Egmont auxilia os seus associados no fornecimento de informações e experiências relativas à transacções financeiras que consubstanciam actos de branqueamento de capitais, financiamento do terrorismo, proliferação nuclear e crimes conexos.

Partilhar este artigo