Encerramento de fábricas de caju lança milhares no desemprego em Nampula

Empresas sem fundos para absorver castanha de caju em Nampula

Cerca de 7200 pessoas, na sua maioria mulheres, ficaram no desemprego depois do encerramento de seis fábricas de processamento da castanha de caju na província de Nampula.

Na origem do encerramento a falta de matéria-prima, situação agudizada pela exportação ilegal da castanha bruta, que, aliás regista-se desde 2018.

Salvador Neves, citado pela VOA, diz que trabalhou durante 12 anos na empresa de processamento de castanha de caju Condor.

O despedimento mexeu com a vida dele, pois era a sua única fonte de sobrevivência e agora depende de “pequenos biscates que nem sempre dão certo”.

Mãe de quatro filhos, Jacinta Daniel conta que a indústria do caju foi o seu primeiro emprego e agora vê-se “desesperada”.

Por seu lado, o presidente da Associação dos Industriais de Caju em Nampula, Yonuss Gafur, alerta que restam apenas seis fábricas na província que, também, enfrentam falta de matéria-prima.

Yonuss acrescentou que empresas falaram com o ministro da Agricultura que se apercebeu da situação e garantiu promover acções para resgatar a indústria do caju, um dos mais importantes sectores do agronegócio em Moçambique.

Partilhar este artigo