Cabo Delgado: Igreja Católica confirma a retirada dos missionários das zonas de risco de terrorismo

Cabo Delgado: Igreja Católica confirma a retirada dos missionários das zonas de risco de terrorismo

O Arcebispo católico de Nampula, Dom Inácio Saure, confirma que há ordens para que todos os missionários que se encontram em áreas de grande perigo de ataques terroristas fujam para zonas mais seguras.

A mensagem é particularmente relevante para os missionários de Cabo Delgado, província, que desde 2017, é alvo de ataques terroristas. Nalguns desses ataques, paróquias e infra-estruturas da igreja católica foram destruídas.

“De facto, não é boato. O próprio Bispo da Diocese de Pemba orientou os missionários que se encontram em missões de grande risco para se afastarem e estar na cidade de Pemba, e já estão lá alguns”, diz Saure, que é também presidente da Conferência Episcopal de Moçambique.

Citado pela VOA,  Dom Inácio Saure realça ainda que “não é porque não amam o povo, é porque é uma situação de perigo e nós não podemos nos expor assim quando há risco real de morte”.

Segundo a fonte, a situação humanitária em Cabo Delgado “é extremamente grave e preocupante”. “Neste momento, por exemplo, a Cáritas Arquidiocesana de Nampula continua na construção de abrigos, mas mesmo se construirmos o abrigo, a pessoa sem comer não pode viver”.

Por sua vez, o governador de Nampula, Manuel Rodrigues, província que faz fronteira, a norte, com Cabo Delgado demonstrou também com a situação da insurgência, lembrando que “os terroristas atacaram praticamente dois distritos da nossa província, nomeadamente Erati e Memba, onde além da destruição de escolas, centros de saúde, mataram os nossos concidadãos”.

Chiúre e Mecufi, distritos de Cabo Delgado, recentemente atacados por grupos terroristas, segundo o governante, ficam perto de Erati e Memba. “Para nós, este recrudescimento das acções terroristas, na vizinha província de Cabo Delgado, leva-nos a ficar de forma ansiosa e triste, porque já temos a experiência amarga da acção terrorista,” lamenta Manuel Rodrigues.

Para tal, o governador confirma que já há população do distrito de Memba em busca de locais mais seguros. “Temos estado a ver até as crianças a saírem e não participarem nas aulas muito por conta desta ameaça”.

Partilhar este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.