Aston Martin recebe primeiro eléctrico em 2026

Aston Martin recebe primeiro eléctrico em 2026

As fabricantes têm apresentado os seus novos modelos eléctricos, respondendo à crescente procura. Desta vez, o anúncio foi feito pela Aston Martin, cujo primeiro carro eléctrico chegará em 2026.

Aparentemente, o novo modelo virá substituir o conhecido DB11.

Há algumas semanas, Tobias Moers, o CEO da Aston Martin, confirmou que a gama da fabricante britânica será gradualmente eletrificada, nos próximos cinco anos. O primeiro passo neste sentido será dado já em Setembro, com o híbrido desportivo Valkyrie. Posteriormente, serão lançados mais dois desportivos – o Vanquish e o Valhalla.

Assim como os três modelos desportivos mencionados, também os clássicos Vantage, DB11 e DBS vão sofrer alterações. Aliás, esta será a primeira gama puramente elétrica da Aston Martin, na medida em que os três serão substituídos por modelos eléctricos.

“É óbvio que temos de ter carros desportivos da próxima geração que sejam puramente elétricos. Isso é claro. Faz sentido. Vendemos sonhos e quando se vendem sonhos, é preciso considerar as necessidades do cliente. Não precisa dos nossos carros para conduzir de A a B. Deve ser uma interpretação aspiracional de uma condução elétrica ao estilo Aston Martin”, disse Tobias Moers.

Conforme as estimativas de Moers, em 2030, metade da oferta da Aston Martin será 100% eléctrica. Para isso, o CEO da fabricante está a construir uma equipa dedicada à engenharia de carros eléctricos, por forma a reduzir a sua dependência face aos componentes fornecidos por terceiros. Para ele, o desenvolvimento das competências internas é um aspeto crucial para o sucesso da transformação que se avizinha.

Apesar do investimento na electrificação, Moers ressalvou que a Aston Martin continuará a oferecer carros com motor de combustão durante o máximo de tempo possível. Isto, porque são “flexíveis” e podem “ajustar-se à procura”, uma vez que “ainda há consumidores por aí que querem um carro desportivo […] com motor de combustão interna”.

Partilhar este artigo