AIE estima que procura global de gás irá recuperar em 2021 e atingir recordes

AIE estima que procura global de gás irá recuperar em 2021 e atingir recordes

A procura global de gás irá recuperar este ano do choque da pandemia de covid-19 em 2020 e excederá pela primeira vez 4 mil milhões de metros cúbicos, segundo a Agência Internacional de Energia (AIE).

A AIE prevê que o aumento continuará pelo menos até 2024, embora a um ritmo mais baixo do que antes da crise.

No seu relatório de análise e perspectivas para o gás, publicado hoje, a AIE estima que, após o declínio de 2% no ano passado, o consumo em 2021 aumentará 3,6% e a taxa de progressão será a uma média anual de 1,7% nos três anos seguintes.

Em 2024, o mundo absorverá cerca de 4,3 mil milhões de metros cúbicos, ou seja, 7% mais do que em 2019, antes da crise económica provocada pela pandemia.

O director dos mercados energéticos, Keisuke Sadamori, defendeu que são necessárias “políticas mais fortes” para que esta procura de gás seja moderada e compatível com os objectivos climáticos, o que implica uma maior eficiência energética e esforços por parte do sector do gás para reduzir as suas emissões, particularmente as emissões de metano.

A indústria será principalmente responsável pelo aumento do consumo, tanto este ano como nos anos seguintes (aumentará a uma taxa média de 3,4% por ano) devido ao efeito da recuperação económica, particularmente na região da Ásia-Pacífico.

O outro grande motor (um terço) será a substituição por gás de outros combustíveis na produção de electricidade, principalmente carvão e derivados do petróleo, que geram mais emissões.

Metade do declínio nas vendas de gás em 2020 foi causado pela queda na produção de electricidade com este combustível.

A AIE observa que este declínio teria sido muito maior se o preço do gás não tivesse sido substancialmente mais baixo, o que encorajou as companhias de electricidade – especialmente nos Estados Unidos, mas também, em menor escala, na Europa – a recorrer a este combustível, em detrimento do carvão.

Agora, com o aumento dos preços do gás, o efeito contrário está a ocorrer nos Estados Unidos, onde está a ser substituído pelo carvão para a produção de electricidade.

Este não é o caso na Europa, onde a sua competitividade é protegida pelas elevadas taxas de direitos de emissão que as companhias de electricidade teriam de pagar para produzir com carvão.

A Ásia-Pacífico será responsável por 47% do aumento do consumo no mundo entre 2020 e 2024 (só a China será responsável por 30%), devido a um aumento médio de 4,5% por ano nesta região.

Na América do Norte, o aumento será de 1% ao ano, uma vez que os preços estão a atrasar a recuperação.

Será ainda mais fraca na Europa (0,4%), onde os autores do estudo preveem uma forte recuperação de 6% em 2021, em parte graças à sua vantagem comparativa com o carvão, seguida de um lento declínio nos anos seguintes, devido à atração das energias renováveis.

A América Latina foi a região mais duramente atingida pelo choque de 2020, com o consumo a cair 9,9%, dos quais só recuperará em 2024, com um aumento médio anual de 2,5%.

Partilhar este artigo