CTA e BAD buscam soluções para a crise alimentar

CTA e BAD buscam soluções para a crise alimentar

A Confederação das Associações    Económicas de Moçambique (CTA), manteve encontro com representante do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), Cesar Abogo, com o objectivo de buscar soluções concretas sobre a crise alimentar, combustíveis e acesso ao crédito.

O Presidente do Conselho Empresarial da CTA, Fernando Couto, aponta o projecto integrado Pemba-Lichinga, recentemente lançado pelo BAD, como sendo estratégico para o investimento agroindustrial, face a escassez de alimentos.

Segundo este, a produção local e transformação continuam sendo a prioridade para lidar com às restrições nas importações de produtos básicos. Para isso, Moçambique precisa de empresas fortes de processamento de produtos alimentares, que podem trabalhar com as PMEs como âncoras.

Em relação ao acesso a financiamento, na sequência do endurecimento da política monetária, a CTA propôs maior flexibilidade nos critérios de elegibilidade para as micro, pequenas e médias empresas acederem os fundos existentes do BAD.

Para a CTA, o apoio do BAD na minimização do impacto negativo do contexto actual nas condições de crédito é importante, apesar de se compreender a política monetária que o país tem seguido. Por isso, a CTA solicitou maior engajamento do BAD na mobilização de fontes alternativas de financiamento.

Segundo a classe empresarial, o BAD poderia ajudar o sector privado no acesso ao financiamento com condições favoráveis, através de subsídio às taxas de juro praticada pela banca que actualmente se situa em 20,6% mais um spread.

A CTA espera que o BAD apoie também na criação de fundos privados para as empresas, sendo que a prioridade passa pela existência de quadro regulatório a nível do Banco Central que apoia na constituição de fundos privados, como alternativa ao financiamento às empresas.

Por seu torno, o representante residente do BAD, em Moçambique, Cesar Abogo, assumiu o compromisso, desta instituição financeira africana, em apoiar o sector do agro-negócio no país.

Partilhar este artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.